Objetivando o desenvolvimento do setor energético brasileiro, o Governo Federal estabeleceu um programa de concessão de hidrelétricas para a iniciativa privada com o comprometimento de investimentos e ressarcimento pela cobrança de tarifas. Nesse programa foi incluído o Aproveitamento Múltiplo de Manso, com 210 MW, localizado no Rio Manso, no Estado do Mato Grosso, com implantação e exploração sob a forma de concessão para serviço público.

As empresas Construtora Norberto Odebrecht S.A. (líder) e Servix Engenharia S.A. foram declaradas vencedoras do processo licitatório, ocorrido em 1996.

A Produtores Energéticos de Manso S.A. – PROMAN (a “Companhia”) foi constituída pelas empresas vencedoras, em 10 de dezembro de 1997, com o objeto exclusivo de explorar, em consórcio firmado com as Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - ELETRONORTE, sob regime de concessão, o Aproveitamento Múltiplo de Manso - APM Manso (“o Empreendimento”), constituído basicamente pela Usina Hidroelétrica de Manso e suas quatro unidades geradoras.

O referido consórcio foi firmado em 18 de dezembro de 1997, com a denominação de Consórcio APM Manso (o “Consórcio”), tendo como empresa líder ELETRONORTE, com o objetivo de concluir o e manter a operação do Empreendimento e seu Sistema de Transmissão Associado.

A participação da Companhia no montante dos investimentos previstos para a conclusão do Empreendimento a ser realizado pelo Consórcio era, inicialmente, de 33,33%, sendo que, a partir de 14 de novembro de 2000, mediante Terceiro Termo Aditivo ao contrato de constituição do Consórcio, a Companhia passou a arcar, na proporção de 30%, com os custos referentes às melhorias, à reposição de sobressalentes e à parcela contratada com terceiros dos serviços especiais e dos serviços de reparos nas estruturas civis.

Ao final do ano de 1999, todos os ativos e passivos referentes ao Empreendimento contabilizados no Balanço da ELETRONORTE foram transferidos para Furnas, passando, essa última a liderar o Consórcio Manso.

A concessão para exploração do Empreendimento pelo Consórcio é regulada pelo Contrato de Concessão n° 010/2000, firmado com a União, por intermédio da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, em 10 de fevereiro de 2000, sendo o prazo de vigência da referida concessão de 35 anos, contados a partir da data retromencionada. O referido prazo poderá ser prorrogado, a critério da ANEEL, na forma da legislação em vigor, quando do término do Contrato de Concessão, mediante requerimento do Consórcio, desde que a exploração do Empreendimento esteja ocorrendo nas condições estabelecidas no referido Contrato de Concessão, na legislação do setor de energia elétrica e que atenda aos interesses dos consumidores.

Em 26 de setembro de 2005, as então acionistas da PROMAN alienaram a totalidade das ações da Companhia a um grupo de 6 investidores, mediante negociação privada.

A operação foi precedida de expressa autorização prévia do Poder Concedente, através da Resolução Autorizativa ANEEL nº 287/2005, de 08 de agosto de 2005, publicada, no Diário Oficial da União, no dia 16 do mesmo mês.

De acordo com a Resolução Autorizativa supracitada, os investidores Fundação de Assistência e Previdência Social do BNDES – FAPES (20%); Real Grandeza – Fundação de Previdência e Assistência Social (20%); Acesita – Previdência Privada  (15%) assumiram o controle societário da Companhia, cuja formação do Bloco de Controle foi firmado mediante adesão ao Acordo de Acionistas assinado no ato da transferência do controle da empresa.

Desenvolvido por M3 Agência Digital